Blog

Coaching & Instrumento MBTI® A busca do autoconhecimento e desenvolvimento humano.

ICF

Acredito que somente temos chance de evoluir e mudar verdadeiramente de atitudes na vida, se conseguirmos olhar para dentro de nós mesmos. É percebendo, constantemente, o nosso interior, examinando e transcendendo os padrões e paradigmas herdados de nossos familiares, de nossa criação e da própria cultura e sociedade onde vivemos, que poderemos reflexivamente encontrar um sentido em nossas vidas e descobrir a nossa missão no mundo. Daí a importância de termos consciência da necessidade do autoconhecimento.

O autoconhecimento nos conduz a uma profunda viagem interior, propiciando a compreensão do porque reagimos desta ou daquela forma diante de uma determinada situação e, por consequência, intensifica a capacidade de fazer escolhas mais conscientes e adequadas, que tragam uma maior satisfação pessoal.

Muitas pessoas vivem de “fachada”, alienadas nos anseios sociais, reprimindo, pois, o seu real ser. Assim, em vez de exercitar a própria vocação, com independência e prazer, elas atendem mais às expectativas exteriores e das outras pessoas, ficando submetidas às pressões e determinações impostas pela sociedade, bem como limitadas aos seus medos e fantasmas. É um se sentir aprisionado pela sua própria mente. Muitas vezes raciocinam assim: “Mas o que vão pensar de mim se eu fizer isto?”. E esse pensamento só faz demonstrar a falta de saber o que realmente quer e a baixa autoestima.

Nesse contexto de receio, insegurança e dúvida, circunstâncias que muitas pessoas podem experimentar durante a vida, a busca pelo autoconhecimento pessoal e profissional apresenta-se como uma alternativa importante e eficaz ao desenvolvimento humano, ampliando o conhecimento de si mesmo e proporcionando que o indivíduo conheça a sua dimensão e as perspectivas de sua vida. É a mesma sensação de oferecer uns óculos de grau adequado para quem tem dificuldade de visão. A partir daí a vida tem mais sentido e as pessoas podem ter como suas as reflexões, escolhas e decisões.

Em minha vida pessoal e na caminhada como coach, psicólogo, consultor e profissional de RH nas organizações, deparei-me, diversas vezes, com pessoas com carência de autoconhecimento, isto é, com dificuldades para direcionarem o seu desenvolvimento num rumo certo e, principalmente, satisfatório. Todos nós precisamos de uma “bússola” que nos indique a direção que nos permita conhecer a nossa missão, visão e objetivos.

No trabalho que desenvolvo, no campo da gestão e desenvolvimento de pessoas nas organizações e na condução do processo de coaching, tive a grata satisfação de poder me qualificar e credenciar no Instrumento MBTI® que tem sido uma verdadeira “bússola” para as pessoas, pois se trata de uma rica e válida ferramenta para expandir o autoconhecimento e facilitar o crescimento profissional. Ele aumenta a consciência sobre as características pessoais, suas forças, aptidões e vulnerabilidades em termos de habilidades e atitudes pessoais, sendo um apoio nas decisões da vida. Ajuda as pessoas a se conhecerem melhor e a escolherem com maior possibilidade de êxito a sua profissão e a perspectiva da carreira a ser seguida, facilitando, também, a compreensão do outro, as relações interpessoais, o exercício da liderança e o trabalho em equipe. São 16 tipos psicológicos e não existe um tipo melhor ou pior do que o outro, cada qual tem suas particularidades que devem ser consideradas pelas pessoas.

O Instrumento MBTI® possui uma vasta aplicação, tanto no âmbito pessoal, quanto no coletivo ou organizacional. Sendo suas principais aplicações:

Aplicação no Processo de Coaching e Autoconhecimento Pessoal: Excelente ferramenta reflexiva para auxiliar a autoanálise e o crescimento pessoal, podendo ser muito útil para fortalecer a autoestima e contribuir para que o indivíduo possa encontrar uma direção para sua vida, através da compreensão dos seus pontos positivos e talentos das suas preferências.

Pode ser utilizado também no aconselhamento matrimonial e nas relações familiares (compreender e saber lidar com as diferenças de forma positiva).

Aplicação no Aconselhamento Vocacional/Profissional: Não é um instrumento específico para a análise vocacional, mas ajuda muito as pessoas a se conhecerem melhor e escolherem com maior possibilidade de êxito a sua profissão e a perspectiva de carreira.

Aplicações Organizacionais e Gerenciais: É utilizada intensamente no desenvolvimento gerencial e de equipe, ajudando os profissionais a compreender seus talentos naturais e áreas potenciais de fraqueza. O instrumento fornece insumos para melhor compreensão e utilização do estilo de liderança, de comunicação e de como o indivíduo aborda e resolve os problemas. Permite, ainda, saber o tipo de ambientes e tarefas são preferidas pelos gerentes e membros da equipe, a forma de apoio que mais necessitam em sua atuação, tipos de expectativas em relação ao seu desempenho e dos outros e estilo que utilizam para dar feedback e perceber a performance dos demais.

O Instrumento tem forte aplicação em vários aspectos do processo de gestão de pessoas: planejamento do trabalho e nos planos de desenvolvimento de carreira, mapeamento do patrimônio humano, entrevistas, treinamento em serviço, aconselhamento e avaliação de desempenho.

Além disso, outra aplicação do tipo psicológico nas organizações inclui a compreensão da cultura institucional, projetos, estruturas e estratégias, planejamento para mudanças organizacionais e na gestão e desenvolvimento de carreiras.

Aplicação Educacional: é usado para aumentar a consciência dos professores sobre as diferenças de aprendizagem de seus alunos e para encorajar o uso de métodos pedagógicos e sistemas educacionais que se apliquem a essas diferenças.

Diante das possibilidades apresentadas acima, a busca do autoconhecimento e desenvolvimento torna-se algo plenamente possível para as pessoas, principalmente, quando este investimento pessoal, decisão e vontade de procurar ajuda nasce do próprio indivíduo e de dentro para fora. Outro aspecto importante é a abertura para escutar e perceber as sinalizações de outro ponto de vista, sem a presunção de ser “dono da verdade”. A grande riqueza deste instrumento é que aponta determinadas impressões e sinalizações sobre cada tipo psicológico. Contudo, são as pessoas que irão validá-las após uma autoapreciação e busca de feedbacks.

Na condição de profissional qualificado e credenciado para a utilização de forma adequada e ética do Instrumento MBTI®, reafirmo que é uma rica ferramenta, mas que deve ser usada com o propósito e compromisso de ampliar a compreensão, criar possibilidades e propiciar desenvolvimento para as pessoas e não de avalia-las, rotulá-las e limitá-las em termos de perspectivas.

Paulo Cesar Martin Guimarães (*)

(*) é Coach, psicólogo, bacharel em Direito e especialista em Gestão de Recursos Humanos pela FGV, tendo mais de 20 anos de vivência no campo de gestão e desenvolvimento de pessoas nas organizações. É consultor, sócio da Humana, conduz processos de coaching executivo, programas de treinamento comportamental e desenvolvimento de liderança e de equipes, atuando também como facilitador na implantação de políticas de RH, solução de conflitos interpessoais, coordenação de processos de sensibilização para mudanças e ações de melhoria do clima organizacional.

Como Coach possui formação em COACHING EXECUTIVO ORGANIZACIONAL, conduzida e certificada pelo Leading Group at Master-Coach Leonardo Wolk – Argentina e Instituto Opus – SP, com certificação ACTP (Accredited Coach Training Program) pela ICF. É qualificado pela C.P.P. – CONSULTING PSYCHOLOGISTS PRESS, Inc. USA, na utilização do Instrumento MBTI®, Step 1, ferramenta mundialmente utilizada para identificação dos tipos psicológicos, busca do autoconhecimento e autodesenvolvimento.

É membro associado à INTERNACIONAL COACH FEDERATION – New York – USA e membro fundador da ICF – CAPÍTULO REGIONAL MINAS.

Contato: 31-3241-6900 – e-mail: paulocesar@humanaconsultoria.com.br – Site: www.humanaconsultoria.com.br

Deixe uma Resposta

XHTML: Você pode utilizar essas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>